sábado, janeiro 17, 2009
A minha liberdade acaba quando a dos outros começa
Ao ler esta notícia e ao ter conhecimento de situações de pura coação ao trabalho de determinados jornalistas que, nos últimos dias, têm sido proliferadas pelas redacções, conversas de café e pelas caixas de comentários de alguns dos blogues tidos como os mais lidos e vistos nas ilhas, vem-me à ideia a expressão abrasileirada de um ex-colega de profissão que dizia, sempre que a pressão aumentava,: "não se cutuca a onça com vara curta!"
Eu acrescento - para o bem e para o mal - que não se brinca com o bom nome de quem dá ao jornalismo a sua verdadeira concepção de informar e de formar opinião, na salvaguarda dos direitos do colectivo.
Em suma, não se brinca com a liberdade de expressão que está consagrada na Constituição deste Estado dito democrático.
E acrescento a questão. Que raio de democracia é esta?

Etiquetas:

 
Postado por Luísa Silva em 1/17/2009 |


12 Comments:


  • 17 janeiro, 2009 22:50, Blogger Fiat Lux

    É uma "democracia".

     
  • 19 janeiro, 2009 00:02, Blogger H. Blayer

    Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay!

     
  • 19 janeiro, 2009 16:59, Anonymous Anónimo

    Cara luísa.

    Não querendo menosprezar o trabalho dos jornalistas, a liberdade de expressão não acaba quando o jornalista se torna em assessor de imprensa?

     
  • 20 janeiro, 2009 09:56, Blogger Pedro Rocha

    Desculpa, mas vai-me dizer que o seu colega de blog Rui Lucas nunca combinou capas de jornais com membros do psd/a??!! Que ingénua...

     
  • 20 janeiro, 2009 13:40, Anonymous joão silva

    já vi que o comentário de ontem afectou as hostes.
    é essa a liberdade de expressão de que falam?
    quem compra bombinhas de carnaval, corre o risco de rebentar nas mãos!

     
  • 20 janeiro, 2009 22:06, Anonymous Anónimo

    A berta cabral parece q gosta que liguem a manifestar o seu desagrado será isso?

     
  • 21 janeiro, 2009 11:56, Anonymous Anónimo

    Vamos concretizar, para que não pensem que é mentira.
    Pressões onde e sobre quem?

     
  • 21 janeiro, 2009 16:51, Blogger Luísa Silva

    Ao comentarista das 11:56, pressões na Rádio Televisão de Portugal, por acaso prestou atenção ao que foi dito sobre o assunto em vários blogues. Sugiro-lhe uma consulta às caixas de comentários do blogue fogotabraze e post do entramula.
    Ao comentarista de 20 de Janeiro das 22:06, embora lhe possa parecer paradoxal, considero que quanto mais aberta for a comunicação entre uma assessoria e a comunicação social, melhores são os resultados para ambas as partes.
    Sublinho que se tratando de matéria política sempre haverá excepções à regra, mas, não faltam livros e artigos que abordam este tipo de assunto.
    Ao João Silva, bela tirada.
    Ao Pedro Rocha, julgo que o seu conflito (digo conflito porque às vezes o tom das palavras escritas pode levar a várias interpretações) será com o meu colega de blogue Rui Lucas e não comigo. Quanto a mim, faço o meu trabalho o melhor que posso no respeito pelo código deontológico dos jornalistas e seguindo o código deontológico dos assessores e relações públicas. Parece-lhe estranho? Confie, volto a repetir, os assessores, também, têm um código de postura no relacionamento com os MEDIA e público em geral.
    Por fim, ao anónimo de 19 de Janeiro das 16:59, não sei que profissão exerce, mas considero que a experiência jornalística é preciosa no estabelecimento de um bom entendimento entre jornalistas e assessores.
    Quanto à minha liberdade de expressão - se é a ela que se refere - ela nunca deixou de ser feita neste blogue, sendo certo que a minha participação aqui não é a de ponta de lança da instituição onde trabalho e isto pode averiguar no arquivo.
    Costumo dizer que nunca se deve dizer "nunca", até a essa eventualidade estou bem e serena. E você?

     
  • 21 janeiro, 2009 17:51, Blogger Rui Lucas

    O senhor Pedro Rocha continua obcecado com a minha pessoa. Não tem emenda. Se ele fosse uma mulher eu até achava piada. Assim, não tenciono perder mais tempo aqui no blogue com disparates. Mais trocas de palavras com ele só cara a cara.

     
  • 22 janeiro, 2009 09:25, Anonymous Anónimo

    Não sei do PSD. Mas do PS tenho a certeza absoluta. O sr. Pedro Rocha ganharia mais se tivesse ficado calado

    ex-jornalista

     
  • 22 janeiro, 2009 14:37, Anonymous Anónimo

    Basta ler o expresso das nove para se observar isso mesmo.

    é uma vergonha ninguém investigar nada,não haver grandes reportagens, entrevistas, debates verdadeiros.

    Basta observar alguns jornalistas da RTP/A para se ficar com a certeza que são da máquina.

     
  • 22 janeiro, 2009 16:29, Blogger Luísa Silva

    Relativamente ao comentário anterior e sem em querer dissecar muito mais o tema, devo dizer que não posso concordar com a sua opinião.
    Primeiro porque sei, por experiência própria, que num meio pequeno como são as ilhas não é fácil fazer jornalismo de investigação - fecham-se portas, afirmam-se outros interesses...
    Depois, as redacções são pequenas e a grande maioria, se não todas, não tem capacidade de ter jornalistas com editorias específicas nas várias áreas de especialização, o que acaba por fazer da polivalência uma "faca de dois gumes", que por um lado habilita o jornalista a ter um conhecimento generalizado da realidade, mas que, por outro, não lhe deixa espaço para aprofundar e, às vezes ter memória, de determinado tipo de acontecimentos.
    Quanto à critica a "alguns jornalistas da RTP/A" não acho que seja justo avaliar a parte pelo todo e impor verdades absolutas.
    Em todas as profissões há bom e mau. Bons trabalhadores, profissionais competentes, gente motivada, menos motivada e outros que se agarram às teias do sistema por não terem competências próprias para sobressair.
    É assim em todo o lado, sem excepção.