quarta-feira, setembro 20, 2006
a vida tal como ela é V
- as televisões privadas passam boa parte do tempo de abertura dos noticiários a falar de um não furacão que provocou não estragos durante a sua não passagem pelo arquipélago. na sic chegou mesmo ao ponto de se mostrar um ramo de uma árvore do mesmo tamanho do ramode flores que tenho na jarra!

- o público destaca, de uma forma provinciana, o novo PGR por este já ter investigado 200 processos de corrupção. num país onde não se conhecem condenações por corrupção não sei se este será o melhor dado para salientar num currículo de PGR...

- um habitante do faial diz que ainda bem que o furacão se desviou porque "se eles (leia-se s. miguel) já querem tudo é bom que também fiquem com o vento". eu poderia dizer muita coisa sobre este raciocínio, mas como é no faial prefiro ficar calado...

- o diário insular queixa-se, em editorial, que o gabinete de apoio à comunicação social não deu o devido destaque à descida de turistas na terceira, s. jorge e santa maria, protestando pelo facto dos seus textos, e os dos restantes gabinetes de comunicação, serem escritos num tom favorável e que os jornais fazem copy past porque são pequeninos e não têm recursos. ou seja, se bem percebi, nos jornais já nem sequer há pessoal para trocar a ordem dos parágrafos e os jornalistas agora reclamam porque os gabinetes de comunicação não fazem notícias de facto. qual será a parte de "gabinete de APOIO à comunicação social" que não percebem?
 
Postado por nuno mendes em 9/20/2006 |


10 Comments:


  • 20 setembro, 2006 21:05, Blogger Nuno Barata

    Pois é! Os jornalistas arranjam "tachos" no Governo!

     
  • 20 setembro, 2006 21:13, Blogger Luísa Silva

    E os jornais arranjam estagiários pagos pelo Governo.
    Estagiários que até (nalguns casos desesperados) alteram a sua residência nos BIs para poderem estagiar nos Açores.

     
  • 20 setembro, 2006 21:31, Blogger jocaferro

    Pôxa...
    Nuno Mendes, isso foi de fôlego?!
    Claro que me refiro ao último parágrafo.

    Toda a razão. Se os jornais fazem copy pastE, qual a razão da sua existência?

    PS: Também não são citados os Gabinetes de Imprensa das autarquias?!
    Quem tem telhados de vidro...

     
  • 20 setembro, 2006 21:31, Blogger jocaferro

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

     
  • 20 setembro, 2006 21:50, Anonymous Rui Goulart

    Caro sócio Nuno, está excelente. Mais uma vez digo: O mau jornalisno não é uma patologia, exclusivamente, açoriana. Sobre o furacão, foram ditos, a nível nacional, disparates brutais!!!

     
  • 20 setembro, 2006 22:59, Blogger nuno mendes

    sem dúvida, caro rui goulart e é por isso que a selecção toca a todos.
    não tem nada a ver com os tachos do nuno barata ou com os estagiários que a luisa refere.
    hoje de manhã eu pensei que estava a ler mal. sei que está na moda desancar no GACS por tudo e por quase nada como se o GACS fosse o responsável por alguma coisa ou como se o governo obrigasse os jornais a publicar as notas que o GACS elabora. O GACS divulga as actividades do governo regional.
    Agora, ler um editorial onde se protesta porque o GACS (e os gabinetes de comunicação das autarquias, também referidos no editorial) não faz o trabalho dos jornalistas? ainda por cima alegando que os jornais são pequenos e é mais fácil fazer um copy-paste

     
  • 21 setembro, 2006 00:21, Blogger Caiê

    "Eu poderia dizer muita coisa sobre este raciocínio, mas como é no Faial prefiro ficar calado..." Pois eu acho lamentável que as pessoas que, de alguma forma intervêm na sociedade escrevendo, se dediquem a fomentar guerrinhas entre as ilhas. Acho lamentável vindo de qualquer um, mas muito mais ainda de quem devia ter tino para não o fazer.
    Porém, cada um dá do que tem e a mais não é obrigado (entenda-se, do que tem dentro da cabeça). Cumprimentos.

     
  • 21 setembro, 2006 01:30, Blogger elBravinha

    Eu diria que temos um não ilhéu a picar-se com piadas bairristas, quiçá já com sangue micaelense a ferver nas veias... eheh!
    Mas disparates à parte, o que importa dizer é que a escolha do entrevistado faialense também abona muito pouco a favor de quem fez a entrevista.
    Quanto ao caso GAGS, infelizmente, é comum em quase todas as redacções açorianas olhar para este Gabinete como uma verdadeira Agência de Notícias: às vezes, pica-se; outras, troca-se os parágrafos; muitas vezes, nem se muda uma vírgula; raramente, se confirma a veracidade ou se faz cruzamento da informação. Mais ou menos o mesmo que as redações de todo o país fazem com a Agência Lusa...

     
  • 21 setembro, 2006 20:22, Blogger roberta#

    jornalismo e governo: na maioria das vezes ,uma relação de dependencia

     
  • 22 setembro, 2006 08:59, Blogger Francisco Costa

    Viva o copy paste

    É interessante ver nalguns jornais como se copiam noticias quer sejam do gabinete de imprensa de uma autarquia ou de uma outra qualquer entidade.
    A partir do momento em que se faz o copy paste de uma noticia de um gabinete de imprensa não estaremos só a ver um lado da história (lá se vai por água abaixo a suposta imparcialidade dos jornais)... além disso se aquilo for publicado pelos gabinetes de imprensa não corresponder exactamente à verdade, então o que se estará a publicar por aí?!