terça-feira, setembro 26, 2006
Lei de Finanças Regionais...
Depois de semanas de negociações e de alguns momentos de tensão, Carlos César apresenta, oficialmente, parte do projecto da nova Lei de Finanças Regionais. Um documento fundamental no relacionamento financeiro entre o Estado e a Região.
César garante que os Açores vão receber mais verbas e sublinha a discriminação positiva entre os Açores e a Madeira. O arquipélago do “tio” João leva um corte de 40 milhões de euros. A nova lei acentua os critérios geográficos e demográficos.
Para o Presidente Governo, a versão que vai ser submetida a Conselho de Ministros, é “um bom projecto para os Açores”.
Todavia, a Madeira continua a gritar e o projecto tem ainda de passar pelo Conselho de Ministros e pela Assembleia. Já estou farto dos gritos centralistas de Lisboa: Advogados, Juristas, Jornalistas, Políticos, comentadores etc... enfim, tudo "CromoSapiens"
 
Postado por Rui Goulart em 9/26/2006 |


4 Comments:


  • 26 setembro, 2006 09:58, Anonymous mpereira

    Um milhão e quatrocentos mil contos, bahh. Só o sismo de 1998 ultrapassou esta verba.

    Discriminação. Descriminação tem a ver com retirar o crime.

     
  • 26 setembro, 2006 11:09, Blogger Rui Goulart

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

     
  • 26 setembro, 2006 11:15, Blogger Rui Goulart

    MPereira

    Sobre o discriminar ou descriminar: Tem toda a razão. As minhas desculpas, foi uma distracção.
    Sobre a Lei, e no actual contexto económico, foi importante não perder verbas.

    :)

     
  • 27 setembro, 2006 13:08, Blogger antipublico

    Outro ponto de vista: a discriminação positiva dos Açores nunca "custou" nada à Madeira...
    Há antecedentes de reconhecimento do positivismo dessa discriminação.
    Infelizmente está a ocorrer uma discriminação negativa da Madeira. Não em relação a ninguém nem a outra Região. Em relação à situação anterior...
    E isto é que se torna grave. Uns mantêm (o Continente) outros sobem (Açores) e só uns descem (Madeira)...
    Note-se que até no que se refere às Autarquias não se reduzem transferências. Tão só se impossibilitam novos empréstimos (reais ou escondidos).
    Só na Madeira é que se CORTAM financiamentos...