sábado, julho 19, 2008
César - o Imperador de plasticina!
Na segunda convenção do Bloco de Esquerda Açores

A vontade do governo de Carlos César em privatizar a transportadora aérea açoriana (SATA) e eléctrica açoriana (EDA), foi duramente criticada por Luís Fazenda na sessão de encerramento da Conveção do Bloco/Açores. Além de se tratar duma "política errada, este é o momento menos oportuno". "Isto é irresponsável numa altura em que muitos economistas e políticos prevêem que o preço do barril do petróleo possa atingir 200 dólares, ir privatizar uma companhia aérea ou uma empresa do sector energético", apontou o deputado do Bloco.Segundo Luís Fazenda, num momento em que é totalmente incerto o futuro do mercado internacional, estas privatizações vão condenar os açorianos a uma circunstância absolutamente imprevisível, já que pode originar uma alta de preços ainda muito maior, o que penaliza ainda mais os residentes no arquipélago, devido à sua situação de insularidade.O deputado garantiu, por isso, que o assunto vai estar no debate nas próximas eleições regionais e assegurou que o Bloco de Esquerda "não deixará de chamar à responsabilidade quem venha numa circunstância destas procurar acelerar uma política de privatizações". Luís Fazenda salientou ainda que o BE/Açores pode fazer "a diferença" no parlamento açoriano, onde estão representados actualmente o PS, PSD e CDS/PP. "Não temos tabus, não estamos guiados nem limitados por qualquer código, a não ser a defesa das causas populares e sociais", disse.A coordenadora do Bloco nos Açores deixou igualmente críticas aos anúncios "semanais" do Governo regional de privatizações de algumas empresas, nomeadamente na SATA, EDA, Portos, Saneamento e Tratamento de Lixos e Saúde."Nada escapa a este afã privatizador", apontou Zuraida Soares, alegando que estas eventuais privatizações "são a mera entrega a grupos económicos, de referência regional e outros emergentes, interligados com capitais exteriores à região, de bens públicos, que todos vamos sustentar, ao mesmo tempo que seremos duplamente penalizados".Para a dirigente do Bloco-Açores, o presidente do Governo açoriano, Carlos César, "não quer fazer uma política de esquerda, já que a sua linha de rumo confunde-se com os interesses dos mais fortes". "Parece dar razão àqueles que dizem que Carlos César não é um socialista de plástico, porque é mais de plasticina", ironizou.
Zuraida Soares garantiu ainda que o Bloco de Esquerda nos Açores "está em condições de enfrentar o desafio" das próximas eleições regionais de Outubro no arquipélago, manifestando-se convicta da eleição de uma representação parlamentar. "Somos um partido jovem, mas almejamos, nos Açores, transformar o cenário político, da mesma forma e com a mesma contundência com que fazem o nossos camaradas na Madeira e Continente", salientou.No encerramento da Convenção, o Bloco/Açores avançou com algumas propostas para o seu programa, nomeadamente a criação de um plano de emergência de colocação de médicos nos Açores, apoio efectivo (tanto logístico, como na legislação laboral) aos familiares acompanhantes de doentes deslocados.Face aos aumentos das taxas de combustíveis nas ligações aéreas para os Açores, o Bloco de Esquerda propõe o congelamento do tarifário da SATA para residentes até ao final deste ano. Outra proposta é a criação de bolsas de habitação financiadas pelo Governo e pelas autarquias que, no universo de novas construções e prédios devolutos, seja por arrendamento ou compra, tenham por destinatários famílias carenciadas, em alternativa aos bairros sociais.
 
Postado por RamsesII em 7/19/2008 |


2 Comments:


  • 19 julho, 2008 20:01, Anonymous JBC

    Este Bloco dos Açores e a sua líder estão parecidos com aquela Sr.ª que aparece de 4 em 4 anos a concorrer a Presidente da República e depois desaparece.

     
  • 20 julho, 2008 02:21, Blogger JRV

    Será que a Assembleia Regional sairá da triste situação de ter apenas 3 partidos representados? Tenho muitas dúvidas, mas a ver vamos...