segunda-feira, novembro 12, 2007
À toa

Cada vez menos percebo a rádio televisão açoriana e muito menos a gestão que Pedro Bicudo está a fazer da programação e das respectivas redacções, da RDP e da RTP A.
Para a rádio parece ter definido um rumo, que mesmo assim ainda me deixa perplexa, em algumas situações. Agora, para a televisão, à excepção dos telejornais, que vejo já pelo dever profissional, continuo sem saber se os documentários feitos há mais de 10 anos, ou a repetição de concursos e de programas de há um dois anos do Canal 1, são as propostas que nós açorianos merecemos para a nova grelha de Inverno, se é que ela existe…

No que há gestão dos recursos humanos diz respeito, faz-me cá uma confusão esta “merge” de redacções e de apresentadores. A mixagem é tão grande que chego a não perceber se jornalista é jornalista, ou se jornalista é apresentador ou comunicador.
Neste aspecto, a rádio televisão de Portugal nos Açores, faz-me lembrar a rábola da saudosa Ivone Silva "Olívia patroa/Olívia costureira", sem desrespeito para qualquer um dos cargos.

Será que um jornalista pode ser apresentador de programas, apresentador da programação que se faz nos dois OCS, rádio e televisão regional, e ainda fazer reportagem de televisão e de rádio?

Sinceramente, não sei, e gostava que alguém mo explicasse. Até porque as pessoas que estão nesta situação me merecem muito respeito, pessoal e profissional.

 
Postado por Luísa Silva em 11/12/2007 |


22 Comments:


  • 12 novembro, 2007 12:21, Anonymous Anónimo

    Gostei imenso do seu post. As questões que aborda são realmente preocupantes.
    Desde cedo aprende-se que a actividade de jornalista não é compativel com determinadas actividades que coloquem em causa a própria credibilidade da profissão, um aspecto que, infelizmente, é tido como secundário na Região.

     
  • 12 novembro, 2007 13:35, Anonymous Anónimo

    Não se deve fazer... mas aqui vai:
    http://www.obloguedotiroequeda.blogspot.com/

     
  • 12 novembro, 2007 13:42, Blogger jocaferro

    @Luísa Silva:
    Já somos 2, pelo menos.
    Também não entendo esta confusão além de nunca conseguir compreender as autênticas relíquias que passam neste canal, algumas com entrada directa para o Baú dos Tesourinhos...
    Pior ainda são as chanchadas que já passaram pelo menos umas 50 vezes e que pelos vistos irão continuar a causar momentos depressivos nos tele-espectadores açorianos.

    bjs.

     
  • 12 novembro, 2007 15:40, Anonymous tarrasso

    Exige-se a pronta intervencao dos correKtores ortograficos ...

     
  • 12 novembro, 2007 16:00, Anonymous Anónimo

    Não vejo qual é o problema, o jornalista tanto é da rtp como da rdp.
    Acabou-se a duplicação de tarefas, afinal são os nossos impostos.

     
  • 12 novembro, 2007 18:53, Anonymous M. A. Medeiros

    A RTP-Açores parece o "Titanic". O Lopes de Araújo, o Paulo Martinho, o Emanuel Carreiro, o Zeca Medeiros, o Osvaldo Cabral, o Carlos Tomé, o José Gabriel Ávila, o Pedro Moura e tanto outros construiram-na e puseram-na a nevegar. O Pedro "Iceberg" Bicudo vai afundá-la.
    Não há "pêra" aí um maçarico que "derreta" aquele tipo?

     
  • 12 novembro, 2007 19:34, Anonymous Anónimo

    Não falem do que não sabem, a nova programação ainda nem começou. Este é um novo projecto de fusão, os antigos directores dirigiram uma instituição, agora são duas, com regras claras de Lisboa. O mesmo está a acontecer no grupo todo. Tenham calma. É preciso dar tempo, na histtotia da rtp açores, nehum director foi obrigado a mudar tanto, respeitanto ordens. ´
    há que aguardar, como podem julgar se a nova grelha ainda nem começou. já imaginaram a quantidade de velhos do restelo que estão contra a fusão, aqueles que andaram a mamar muito. Fugiram... vamos deixar de ser ilhas de bruma e olhar para o futuro. O Sr Bicudo sabe mais de tv de que todos os antigos chefes ou directores. O problema é que todos continuam a querer viver no saudosismo do passado.
    Por que motivo sempre que alguém surge com ideias novas temos a tendencia de abater????
    menina Luisa tenha cuidado porque tem os pés de barro na camara.

     
  • 12 novembro, 2007 22:52, Anonymous Luísa A. de S. Melo

    Ideias novas?!!! Só se é obrigar os açorianos a gramarem programas em simultâneo na RTP e RDP. O homem pensa que quem tem rádio não tem televisor? Ou quem tem televisor não tem direito a ouvir coisas diferentes no emissor regional?
    E onde aprendeu o Bicudo a dirigir? Quantas pessoas chefiou até agora?
    Uma coisa ele sabe: cumprir ordens lá de fora, mesmo que destrua o que levou tanto tempo a construir.
    O comentador M. A. Medeiros foi muito simpático. Titanic não. Para mim é o 11 de Setembro!

     
  • 13 novembro, 2007 08:35, Blogger Pedro Rocha

    Quanto aos jornalistas açorianos, a meu ver, devem andar mais preocupados a aliar-se a um partido político. Como tantos já o fizeram cá! A sua própria atitude gananciosa é que leva à descredibilização da classe! A mim, já me custa muito a acreditar na maior parte das coisas que são publicadas nas nossas ilhas.

     
  • 13 novembro, 2007 10:09, Anonymous Anónimo

    Bandas filarmónicas a passearem nas ruas por essas ilhas fora, durante o fim de semana, é programação? E de facto a Luísa coloca questões pertinentes em relação aos jornalistas. É uma salganhada total! Muitos dos novos não se sabe como lá foram parar, aliás até se sabe, só é pena que a Cunha continue a funcionar em detrimento do profissionalismo...tirando uns e outros...esperava-se mais de uma televisão pública...que pedro bicudo também não se deixe levar pelo factor C

     
  • 13 novembro, 2007 10:37, Anonymous Anónimo

    Não se preocupem, se é para entalar é para entalar, isto e muito mais,eu que o diga. Pois sinto na pele toda essa embrulhada. Anda RTP-Açores!!!!!!!!!

     
  • 13 novembro, 2007 12:09, Anonymous Anónimo

    O Pedro Bicudo já tomou 1 grande decisão. Nomeou para a coordenação geral o Victor Alves!
    Agora é que eu vou ver o Troféu a abrir sempre com noticias do Lusitânia!
    Terceira ao poder!

     
  • 13 novembro, 2007 13:54, Anonymous Anónimo

    É capaz de ter alguma razão no que diz respeito à grelha de Inverno.

    Já quanto aos jornalistas, tanto os da RTP como os da RDP, lêm as peças que escrevem pelo que, pelo menos, ao nível da ortografia podem errar à vontade que a malta não dá conta!

    Não é o seu caso, pois não? Quem sabe não resolvia esse seu problema. Concorra. Pode ser que o Bicudo pegue em si...

     
  • 13 novembro, 2007 15:08, Anonymous Anónimo

    Penso que o Bicudo tem receio de apresentar a grelha, pois sabe que é o primeiro a saltar para cima dela, eh, eh!

     
  • 13 novembro, 2007 16:16, Blogger Luísa Silva

    Lamentavelmente, alguns dos comentários a este post revelam uma voluntária deturpação à mensagem que quis transmitir. Nada que me espante ou choque, digo desde já…
    O que se quis deixar à reflexão foi, por um lado, a televisão que temos e que, neste momento, em muito pouco (ou nada) abona ao que nós telespectadores (julgo eu) esperamos de um órgão de comunicação de cariz regional que mostre os Açores, virado para o nosso quotidiano (por muito bom ou menos bom que este seja) e aberto à realidade exterior.
    Já se passaram nove meses desde que a RTP e a RDP Açores têm nova direcção. E antes disto, já era sabido, quem seria o seu novo director e que este traria na mala um novo projecto, sobretudo, para a televisão açoriana.
    Não sou, nem ambiciono ser especialista em televisão, mas, sei que, do lado de quem acompanha a RTP A, diariamente, a expectativa gerou-se e empolou em nove meses.
    Por outro lado – e isto sei por experiência – é certo que os projectos de fusão, assentes em “ordens de Lisboa” ou de fora, não são fáceis de concretizar.
    Contudo, também sei que não é por causa dos “velhos do Restelo” que as mudanças deixam de se fazer.
    Portanto, aqui não há vítimas, nem heróis. Julgo que nove meses é muito tempo para se descortinarem novas ideias ou até se aprimorarem outras já em curso na televisão. Dizem para ter calma, que a nova grelha vem aí. Pois venha, porque ela se impõe.
    Esclareço, entretanto, que nada me move pessoalmente ou profissionalmente contra o senhor Pedro Bicudo. E o que me haveria de mover, pergunto eu?
    Mais: profissionalmente, sempre gostei do seu trabalho como jornalista correspondente da RTP nos Estados Unidos, e até me orgulhei por ser um açoriano a fazê-lo, com excelente profissionalismo. Daí a fasquia ser alta, como telespectadora e cidadã, não como caixa de ressonância da insatisfação pessoal dos outros.
    Quanto à outra questão que coloquei, continuo a aguardar respostas concretas. Um jornalista pode ser anunciante da programação televisiva ou da rádio? A mim, que trabalhei e estou requisitada à privada sempre me foi dito que não, por uma questão de ética.
    De resto, uma coisa é certa, a RDP e a RTP Açores têm óptimos profissionais na área da programação, porquê misturar as águas?

     
  • 13 novembro, 2007 17:32, Anonymous Anónimo

    porquê misturar as águas?

    Porque é preciso poupar, coisa que neste país muita gente ainda não percebeu.
    Trabalha-se em multiplataforma. 1 jornalista faz reportagem para a rádio, tv e alimenta a net.
    Veja-se o caso dos correspondesntes nas ilhas, faz sentido haver duplicação de tarefas?

     
  • 13 novembro, 2007 19:20, Anonymous Anónimo

    cara amiga Luisa concordo a 100% contigo e até vou-te ajudar. O Sr. Bicudo nomeou para chefiar a Delegação da Horta um Tecnico de Eletrónica. Como è que o homem tem conhecimentos de jornalismo para decidir quais são os assuntos a cobrir. Será que o Bicudo quer os jornalistas a apertar parafusos?

     
  • 13 novembro, 2007 19:27, Anonymous Anónimo

    Todo o capital de prestígio e de audiências da RTP-Açores está a ir por água abaixo.
    Eu até já prefiro ver as sessões do descarrego da televisão da IURD.

     
  • 13 novembro, 2007 19:57, Blogger Luísa Silva

    Sem acrescentar nem mais uma linha ao que foi dito: O(A) anónimo(a) das 17h32 com a sua lição de poupança não esclarece a minha questão. Se houve uma fusão de redacções é evidente que se aproveitem os recursos disponíveis e se trabalhe em multiplataforma, na área do jornalismo, coisa que sei muito bem o que é.
    O que me faz confusão é usar alguns destes jornalistas para anunciarem o filme da tarde de domingo ou a série de culto das 10 da noite. A gestão da multiplataforma não existirá, neste caso, também para os locutores?

     
  • 14 novembro, 2007 00:24, Anonymous Luísa A. de S. Melo

    O anónimo das 17:32 até parece o próprio Bicudo a falar (e não será mesmo?. E aquela do jornalista faz-tudo, tipo homem-orquestra, faz lembrar a piada do desgraçado que diz: "...e não quer que meta uma vassoura no cu? Sempre vou varrendo, também, a Redacção..."

     
  • 14 novembro, 2007 11:14, Anonymous Anónimo

    calma, o anónimo das 17.32 voltou, e não sou o Bicudo.
    Em relação à questão, lembro-me apenas do João Goulart (rdp) a fazer promoções na RTP e o homem não é jornalista.
    Há mais alguém?

     
  • 19 novembro, 2007 14:19, Anonymous Anónimo

    Dona Luisa será que a menina está a ver se volta a arranjar um tachinho para a sua amiguinha, criticando assim tudo e todos?. Tenho apenas mais uma perguntinha para lhe fazer, será que a menina gostaria de trabalhar lá?...pera ai
    já me ia esquecendo...hummm não tem formação prá alem da secundária.