sexta-feira, novembro 23, 2007
a falta que tu nos fazes

não acredito em deus, nem no paraíso, assim como não acredito que nos espere a felicidade eterna depois da morte. faz hoje um ano que o josé sousa faleceu. espero que, para ele, que acreditava, deus lhe tenha reservado um lugar especial, e que tenha encontrado a felicidade que não lhe foi permitido viver na terra.
aqui, amigou sousita, continua um grande, grande buraco. aquele abraço. do fundo do coração.

 
Postado por nuno mendes em 11/23/2007 |


7 Comments:


  • 23 novembro, 2007 14:32, Blogger Luísa Silva

    Acredito em Deus. Mas, mais do que tudo, acredito que o José Sousa tem e terá sempre um lugar muito especial no nosso coração.
    Acredito, também que foi feliz, na sua breve passagem por este mundo, e felizes os que com ele conviveram.
    Que assim permaneça, sempre!

     
  • 23 novembro, 2007 15:44, Blogger Andre Bradford

    As minhas homenagens, a ele e a tudo o que ele sempre representou. Abraço

     
  • 23 novembro, 2007 15:58, Anonymous Marco Silva

    Se o José Sousa não tiver lugar cativo no coração dos que o conheceram, não acredito que exista alguém que o consiga.

    Como ele diria...tá lá...

     
  • 23 novembro, 2007 16:52, Anonymous silvina

    Inesquecível e meigo… o Sousita ficará para sempre nos corações de quem teve o privilégio de o conhecer.
    A vocês, muita força e coragem!!

     
  • 23 novembro, 2007 17:23, Anonymous Anónimo

    Um Homem bom.
    Uma melhor alma.
    E um excelente Amigo.
    J. Morais

     
  • 23 novembro, 2007 23:56, Anonymous Anónimo

    Tenho a certeza que foi reservado um espaço especial para ele. Uma outra missão, quem sabe, um outro olhar ainda mais puro...

    Rui G

     
  • 24 novembro, 2007 00:50, Anonymous rui raposo

    para todos vocês, ele era o José Sousa, ou "sousita". Para mim, começou por ser o José Paulo há 25 anos e, aquando do surgimento da (parca...) barba, passou a ser o J.
    Na noite do velório, enquanto fumava um cigarrito, ouvi alguns de vocês a falarem dele e foi estranho. Estranho, mas bom. O José Sousa era uma "coisinha" diferente do J. Lembro-me de ter sentido uma vontade enorme de partilhar um pouco do J. com vocês, mas senti-me pouco à vontade. Mas queria muito ter-vos dito que tive, e tenho, um orgulho enorme de ter feito parte da vida de uma pessoa que, como todos nós, tinha defeitos, mas que era "tudo quanto havia de bom!" Que saudades que tenho dele! Que falta que ele faz aqui nos nossos Fenais!

    Obrigado pelo que disseram dele há um ano. Obrigado por se terem juntado a nós, os amigos desde sempre do José Paulo. Obrigado por se terem lembrado.

    Desculpem se me alonguei, mas não escrevo tão bem como vocês.

    Já agora, garanto-vos que ele foi, mesmo, muito feliz!

    Rui Raposo