terça-feira, fevereiro 14, 2006
A oposição (ainda)
Tenho estado aqui a ver o mail e, realmente, a oposição parece estar numa fúria requerimental: ele é perguntas sobre os táxis, a gripe das aves, as estatísticas do turismo na Terceira (o governo ainda vai ser obrigado a obrigar os turistas a visitar a ilha), reuniões com os directores de (alguns) jornais, etc.
Há dois ou três meses que a câmara de Angra do Heroísmo vive uma situação de total penúria financeira. Vai vender património para conseguir pagar a fornecedores e não sabe se consegue fazer os investimentos previstos para o parque escolar. A câmara de Angra do Heroísmo foi dirigida pelo vice-presidente do governo regional e responsável pela área das Finanças. Parece evidente que durante os últimos anos a autarquia viveu um insustentável despesismo eleitoralista com dezenas de iniciativas de fachada. Os responsáveis máximos, pelos vistos, nem sequer conseguem elaborar o orçamento para este ano.
Sobre isto, do PSD, nada a não ser uma pequenas declarações dos orgãos concelhios. Umas bocas locais para consumo local. ao invés, vamos sendo bombardeados com requerimentos atrás de requerimentos, alguns uma completa idiotice.
No final do ano, lá vamos nós ser bombardeados com estatísticas. Para nos dizerem que fizeram centenas de requerimentos. Para isto não é preciso deputados. Basta um blog.

ps - em relação aos encontros do doutor Costa Neves com os directores de (alguns) jornais queria apenas salientar que o projecto do PSD/Açores para a colocação de publicidade institucional foi apresentado depois de uma única reunião com o "director" do Açoriano Oriental. Para quem diz que a democracia nos Açores está a ser subjugada só não percebi porque é que o PSD não coloca no diploma que a pub institucional só devia ser colocada ali e no Diário Insular.
 
Postado por nuno mendes em 2/14/2006 |


1 Comments:


  • 14 fevereiro, 2006 22:51, Blogger gmarinho

    A novela dos requerimentos é algo que sempre me impressionou na nossa alraa, se geralmente são acompanhados de uma conferência de imprensa ou de uma nota para a comunicação social na sua apresentação, já a maioria das respostas e o seu uso é omitido pela oposição, ora, das duas uma conclusão é legítima, ou ficaram esclarecidos e está tudo bem ou apenas fizeram a pergunta sem cuidar da resposta...