segunda-feira, novembro 28, 2005
drogas
acabei de ouvir uma entrevista surrealista na Antena 1 Açores sobre o consumo de drogas junto a diversos estabelecimentos de ensino.
Continuo a acreditar que a liberalização das drogas leves é a melhor solução. Retira-se a venda das ruas, permite-se o acesso a quem quer e, aposto, as estatísticas começam a descer. Com as autoridades e entidades oficiais viradas para o tráfico às drogas leves, esquece-se o mais importante: o tráfico e venda de drogas pesadas e produtos químicos. Que continua em roda livre. Pergunta, para estas consciências tão preocupadas: quantos comprimidos foram apreendidos desde o início do ano pelas entidades policiais? Alguém acredita que não há químicos à venda nos Açores?
Na entrevista da Antena 1, secretário e entrevistadora confundiram, mais uma vez, tudo. Enquanto esta confusão continuar, as estatísticas serão sempre avassaladoras.
Se proibem as drogas leves, porque não proibir o álcool e o tabaco? Os efeitos são os mesmos e as consequências para a saúde também.
 
Postado por nuno mendes em 11/28/2005 |


3 Comments:


  • 28 novembro, 2005 19:00, Blogger pafc

    Dá lá essas ideias e depois vem-te queixar que andas na Calheta, às duas da manhã, a ver se arranjas um maço de Marllboro.

     
  • 28 novembro, 2005 19:06, Blogger nuno mendes

    esta conversa das drogas leves é de uma hipocrisia total.

     
  • 28 novembro, 2005 21:20, Blogger nuno mendes

    alguns dos rapazes que por aí andam aos caídos - eu não estou a dizer que são todos - começaram a afundar-se ainda novos no dia em que foram à procura de outras coisas porque a psp apreendeu a erva do vizinho.